[Infográfico] 10 Erros de e-Learnings que Profissionais devem evitar

[Infográfico] 10 Erros de e-Learnings que Profissionais devem evitar

O e-Learning corporativo é uma forma efetiva e barata de executar seu plano de Educação Corporativa. Mas, para que os projetos de e-learnings acontecem de forma satisfatória para empresa e colaborador, temos que ter boas práticas no planejamento e execução de um Solução Educacional.

Pensando em facilitar a vida de empresas que desenvolvem e-learnings internamente ou que buscam um parceiro para esta jornada, listamos os 10 erros mais comuns que profissionais de e-learning devem evitar.Esse infográfico é a versão visual deste artigo.

infográfico e-learning erros que não podemos deixar acontecer

Se preferir, pode ler a versão em texto 🙂

1 – Texto demais na tela

Chega a desanimar um pouco quando abrimos um e-learning e nos deparamos com tanto texto na tela que não sabemos quando vamos terminar de ler. Esse é um erro muito grave que não podemos deixar acontecer, pois o excesso de texto na tela sobrecarrega o colaborador, desencorajando a se interessar pelo tema.

Lembre-se: nosso tempo está cada vez mais curto e precisamos aprender cada vez mais, portanto, use gráficos, ícones ou quebre o texto em várias partes.

2 – Inconsistência de conteúdo

Realmente é ruim quando estamos lendo algo que não foi escrito e desenhado para gente. Ficamos incomodados, impacientes e geralmente nos desmotivamos a continuar a ler um e-learning. Temos que pensar muito bem antes de planejar qualquer Solução Educacional, seja um e-Learning para empresa ou uma peça de comunicação. Nesta etapa, o papel do Designer Educacional é imprescindível para implementar uma linha de escrita e visual, não misturando tipos de fontes sem um conceito ou adotando estilos de imagens divergentes, como fotos mais ilustrações. Adote uma linha e mantenha, para que o conteúdo tenha a mesma identidade.

3 – Animações sem sentido

Na década de 90, meados dos anos 2000, era muito comum sites que continham uma mensagem inicial: “Clique para entrar”. Qual era o real sentido dessa mensagem, a não ser dificultar a navegação do usuário no site? Se você não quer ter essa sensação retrógrada, então use as animações de seu curso de forma objetiva e clara.

Fazer animações muito demoradas para entradas e saídas de tela pode desencorajar os colaboradores a continuar o e-learning apresentado. Portanto, use o bom senso 🙂

4 – Avaliações confusas

Parece falso, mas este erro é um dos mais comuns. O momento da avaliação é um passo fundamental para a interpretação de desempenho do aplicador/empresa perante ao aluno/colaborador. Portanto, não podemos estragar todo o trabalho bem feito nas etapas de Design e Produção do conteúdo com uma avaliação mal escrita, com margem para ambiguidades e com enunciados confusos. Evite pegadinhas e brincadeiras na hora da avaliação.

Facilite e lembre-se: “Escrever é cortar palavras, sendo claro e objetivo.” Não faça rodeios!

5 –  “Tom de voz” do seu e-learning corporativo

O tom de voz pode dizer muito sobre uma pessoa. Imagine de um conteúdo. Sua empresa sabe qual é a linha de comunicação que quer seguir? Pense em escrever numa linha editorial que seja claro para todos os usuários, mas que não seja tão simples a ponto dos próprios usuários “desacreditarem” do seu conteúdo por parecer simples demais e ingênuo. Mas, também, não utilize uma linguagem rebuscada demais, pois isso pode dificultar o entendimento ou fazer com que o colaborador tenha que ler mais de uma vez o mesmo conteúdo. A dica de ouro na hora de criar um e-learning é entrar em contato com a área de comunicação da empresa para saber a linguagem que é adotada, o que certamente irá fazer com que sua mensagem seja direcionada ao público-alvo correto.

6 – Interatividade demais

Abre o e-learning. Clique no “Saiba Mais”. Abre pop-up. Clique no primeiro botão de seis. Abre outro pop-up. Clique no “Saiba mais” dentro do pop-up… NÃO! Convenhamos, interatividade em e-learning é legal, traz uma sensação de maior utilidade para o colaborador e gera uma proximidade com o conteúdo, mas em excesso pode acabar frustrando o colaborador e desencorajando a seguir com seu e-learning corporativo. Aqui na SOU, gostamos de usar práticas de UX (do inglês, User Experience) que nada mais é que: pensar como o usuário irá navegar em todo o conteúdo, se a navegação está fluída (encontra todas as informações facilmente), se as informações estão de fácil acesso e se o usuário não irá se perder em um slide específico.

7 – Não definir objetivos claramente

“Ao final deste curso você será capaz de: ”
Você sabe exatamente no que seu colaborador estará apto? Portanto, defina bem os objetivos, previamente, e os apresente para o colaborador de forma fácil e objetiva.
Uma dica é usar verbos que propõe uma ação imediata sobre o que o colaborador irá aprender. Usamos a Taxonomia de Bloom, nesta etapa.

Taxonomia de Bloom

Definir claramente o objetivo do curso é “quase um ROI”. Imagine que, se o colaborador sabe exatamente o que ele irá aprender e para que ele irá aprender com seu e-learning corporativo.

8 – Ativos Digitais bagunçados

Abre pasta, procura, procura, procura. Fecha pasta, abre ia rede, procura, procura, procura. Fecha pasta. Olha para o lado pergunta para o colega onde está tal arquivo. Não lembra, também. Trabalhar em um ambiente desorganizado é um grande erro das corporações e empresas de e-learning. Se você não acha o que está procurando, a chance de desistir de uma ideia mirabolante é grande. Portanto, Gerencie seus Ativos Digitais. Faça as marcações (tag), classifique, nomeie os arquivos, facilite sua localização.

Aqui na SOU, contamos com a parceria do sistema Huntag, que gerencia todos nossos ativos digitais, facilitando e agilizando nossa produtividade.

9 – Cursos Longos

Já falamos neste artigo, que e-learnings muito longos desmotivam os colaboradores. Cursos que levam mais de 50 minutos não estarão nos planos dos colaboradores da sua empresa. Então utilize o bom senso, considere remover informações que não relevantes, sintetizar o conteúdo e agrupar assuntos. Costumamos adotar uma linha de 20 até 40 minutos no máximo.
Falamos também que o Microlearning é uma ótima saída para conteúdos extensos e que podemos usar a transmídia para isso, considerando disponibilizar o conteúdo em outras mídias, como vídeos, infográficos e até Podcasts.

10 – Produto final em baixa qualidade

Parece óbvio, mas um e-learning com um design chamativo e bem planejado chama bem mais atenção que um curso com design pobre. Dar uma atenção especial para o design do e-learning o torna mais profissional. E os colaboradores entendem isso, portanto, não deixe de abusar do bom gosto na hora de criar o conteúdo visual do seu e-learning corporativo. Tenha um bom banco de imagens, boas parcerias, profissionais competentes e criativos, tenha que estarão sempre dispostos a tornar seu projeto em uma verdadeira Solução Educacional.
Se gostou das nossas dicas, entre em contato conosco pelo nosso site ou envie um e-mail para contato@sou.com.br


www.sou.com.br

2 comments

  1. Maria Eneida Pires Fernandes

    Texto em consonância com a aprendizagem atual. Parabéns pelas informações.

    1. SOU Educação e Talentos

      Olá Maria, ficamos muito felizes que tenha gostado do nosso artigo!
      Continue acompanhando que toda semana tem texto novo 🙂
      Abraços, team SOU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *