SCORM 1.2 VS SCORM 2004 – Qual é o melhor para sua empresa?

SCORM 1.2 VS SCORM 2004 – Qual é o melhor para sua empresa?

O ritmo de crescimento de novas tecnologias e como o rumo das coisas vai se dar no mundo do ensino-aprendizagem, e-Learning e a Educação Corporativa vem nos pautando a explicar algumas diferenças entre os tipos mais comuns de padrões para Objetos de Aprendizagem.

Apesar de todo crescimento em torno do xAPI (TinCan), o padrão SCORM continua sendo o tipo de padrão mais popular. Nesta ótica, este artigo tem como interesse expor as diferenças entre os tipos mais comuns para os padrões de Objeto de Aprendizagem e sua ligação com as plataformas de LMS.

Outro ponto são as diferenças técnicas entre SCORM 1.2 vs SCORM 2004, que trataremos mais a fundo aqui, afim de sanar eventuais dúvidas na hora da produção dos seus conteúdos, seja interno, em sua própria empresa, ou por meio de um fornecedor de e-Learning, como nós, a SOU.

O EAD e o padrão SCORM

Um fato curioso que permeia o padrão SCORM e a Educação a Distância é como ele “nasceu”.

Em meados dos anos 1999 e 2000, o departamento de defesa dos EUA decidiu, em conjunto com a ADL, padronizar a forma de comunicação obrigatória entre os Ambientes e os Objetos de Aprendizagem, nascendo assim o SCORM – Shareable Content Object Reference Model.

Baseado na tecnologia AICC, o padrão SCORM permitiu uma linguagem única entre fornecedores de tecnologia (LMS) e os conteúdos produzidos (e-Learnings e outros objetos de aprendizagem), resolvendo um dos principais problemas de compatibilidade que existia entre eles. scorm_vs_conteudos
Em uma analogia básica, podemos dizer que o SCORM é o equivalente ao padrão USB para periféricos de computadores e laptops. Uma única comunicação, padronizada para os tipos e modelos de hardware comuns.

Portanto, os principais problemas encontrados antes do padrão SCORM eram:

  • Fornecedor tinha um esforço para adaptar o conteúdo para determinado padrão aceito pelo LMS do cliente;
  • Cliente enviava informações técnicas para que os fornecedores desenvolvessem conteúdos compatíveis com seu LMS;
  • Sempre que o cliente definia um novo fornecedor, teria que orientá-lo sobre a compatibilidade de seu LMS;
  • Se o cliente trocasse de LMS, tinha que migrar todos os cursos para o padrão aceito pelo novo LMS;
  • Aumento de esforço e custo para ambos.

SCORM 1.2 VS SCORM 2004

Os padrões SCORM possuem duas variantes mais comuns: o SCORM 1.2 (mais antigo) e o SCORM 2004 (mais novo). Cada uma delas têm diversas versões (a versão atual de SCORM 2004 é SCORM 2004 4ª edição), que por sua vez, teve baixa adesão por meio das plataformas LMS.

Com o avanço da tecnologia e o anseio das áreas de T&D e RH em mensurar resultados, diversos aperfeiçoamentos foram feitos para melhorar a comunicação entre plataforma e o Objeto de Aprendizagem, com o intuito de colher mais dados mensuráveis, para gestores e empresa.

Basicamente, para escolher entre trabalhar com Objetos de Aprendizagem SCORM 1.2 OU 2004, você terá que ter em mente se o LMS da sua organização suportará estes Objetos de Aprendizagem, ou se você necessita de informações mais detalhadas a nível de mensuração, no momento de extrair um relatório do seu LMS, por exemplo.

Mas então, o que difere um do outro?

Em suma, há basicamente 3 significativas mudanças, que podemos classificar em: Separação de Status, Interações de Leitura e Gravação e Sequenciamento.

SEPARAÇÃO DE STATUS

Em linhas gerais, o padrão SCORM 1.2 possui um valor para cada status do Objeto de Aprendizagem (parâmetro lesson_status), que pode ser classificado como: passed, failed, completed, incomplete, browsed, ou not attempted, o que ocasionava falta de profundidade perante ao instrutor ou gestor que avalia o usuário, como por exemplo a informação se o aluno havia concluído (completed) o Objeto de Aprendizagem, mas não passado na Avaliação (failed). Pensando em casos como este, o SCORM 2004 abordou essas questões dividindo o lesson_status em ‘completion_status‘ (completed/incompleted) e ‘success_status‘ (passed/failed). Com status independentes, o instrutor/gestor pode avaliar itens, separadamente.

INTERAÇÕES DE LEITURA E ESCRITA

No SCORM 1.2, os “dados de interação” são somente para gravação, o que não faz muito sentido (por que “escrever” algo que você não pode “ler” mais tarde?). Portanto, o SCORM 2004 especifica as interações como leitura e gravação, sendo de fato, útil, não apenas para relatórios, mas para revisitar os Objetos de Aprendizagem anteriores. Por exemplo: imagine que um aluno está respondendo um exercício de fixação, onde ele assinalou a alternativa B na primeira interação, caso o aluno retorne para esta mesma tela, não será possível exibir a alteração selecionada anteriormente, já no SCORM 2004 é possível fazer esta leitura/gravação dos dados.

SEQUENCIAMENTO

O SCORM 2004 tentou melhorar o controle de autoria sobre o conteúdo através do “sequenciamento” da especificação, o que é, de fato, muito complexo.

Algumas plataformas LMS possuem controle de autoria, porém poucas empresas acham este recurso viável e utilizável.

No geral, a maioria dos fornecedores e plataformas LMS ainda utiliza o padrão SCORM 1.2, que satisfaz a maioria das necessidades de conteúdo e métricas para gestores, porém nada impede de sua organização reavaliar processos internos e escolher qual melhor padrão a ser escolhido.

E na sua empresa? Você qual padrão SCORM utiliza?

Baixe agora nosso e-Book e saiba passo a passo como extrair o melhor do seu LMS e ainda conhecer as melhores práticas para a gestão da sua Universidade Corporativa!

chamada ebook como extrair o melhor do seu LMS


Referências: http://scorm.com

www.sou.com.br

3 comments

  1. Thais

    Teria como transformar arquivos em Scorm 1.2 em arquivos Scorm 2004?

    1. SOU Educação e Talentos

      Olá Thais, bom dia!
      É possível sim, nós da SOU transformamos os conteúdos que produzimos na versão scorm 1.2 para scorm 2004. Porém quando recebemos os conteúdos que não fomos nós quem produzimos, passamos para uma avaliação.
      Vale considerar que quando o arquivo for flash é necessário fazer a conversão, e se for html5 é mais simples de fazer a transformação.
      Caso tenha mais alguma dúvida ou queria saber mais detalhes, entre em contato conosco que te explicamos melhor. Esperamos ter te ajudado 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *