SCORM 1.2 VS SCORM 2004 – Qual é o melhor para sua empresa?

SCORM 1.2 VS SCORM 2004 – Qual é o melhor para sua empresa?

O ritmo de crescimento de novas tecnologias e como o rumo das coisas vai se dar no mundo do ensino-aprendizagem, e-Learning e a Educação Corporativa vem nos pautando a explicar algumas diferenças entre os tipos mais comuns de padrões para Objetos de Aprendizagem.

Apesar de todo crescimento em torno do xAPI (TinCan), o padrão SCORM continua sendo o tipo de padrão mais popular. Nesta ótica, este artigo tem como interesse expor as diferenças entre os tipos mais comuns para os padrões de Objeto de Aprendizagem e sua ligação com as plataformas de LMS.

Outro ponto são as diferenças técnicas entre SCORM 1.2 vs SCORM 2004, que trataremos mais a fundo aqui, afim de sanar eventuais dúvidas na hora da produção dos seus conteúdos, seja interno, em sua própria empresa, ou por meio de um fornecedor de e-Learning, como nós, a SOU.

O EAD e o padrão SCORM

Um fato curioso que permeia o padrão SCORM e a Educação a Distância é como ele “nasceu”.

Em meados dos anos 1999 e 2000, o departamento de defesa dos EUA decidiu, em conjunto com a ADL, padronizar a forma de comunicação obrigatória entre os Ambientes e os Objetos de Aprendizagem, nascendo assim o SCORM – Shareable Content Object Reference Model.

Baseado na tecnologia AICC, o padrão SCORM permitiu uma linguagem única entre fornecedores de tecnologia (LMS) e os conteúdos produzidos (e-Learnings e outros objetos de aprendizagem), resolvendo um dos principais problemas de compatibilidade que existia entre eles. scorm_vs_conteudos
Em uma analogia básica, podemos dizer que o SCORM é o equivalente ao padrão USB para periféricos de computadores e laptops. Uma única comunicação, padronizada para os tipos e modelos de hardware comuns.

Portanto, os principais problemas encontrados antes do padrão SCORM eram:

  • Fornecedor tinha um esforço para adaptar o conteúdo para determinado padrão aceito pelo LMS do cliente;
  • Cliente enviava informações técnicas para que os fornecedores desenvolvessem conteúdos compatíveis com seu LMS;
  • Sempre que o cliente definia um novo fornecedor, teria que orientá-lo sobre a compatibilidade de seu LMS;
  • Se o cliente trocasse de LMS, tinha que migrar todos os cursos para o padrão aceito pelo novo LMS;
  • Aumento de esforço e custo para ambos.

SCORM 1.2 VS SCORM 2004

Os padrões SCORM possuem duas variantes mais comuns: o SCORM 1.2 (mais antigo) e o SCORM 2004 (mais novo). Cada uma delas têm diversas versões (a versão atual de SCORM 2004 é SCORM 2004 4ª edição), que por sua vez, teve baixa adesão por meio das plataformas LMS.

Com o avanço da tecnologia e o anseio das áreas de T&D e RH em mensurar resultados, diversos aperfeiçoamentos foram feitos para melhorar a comunicação entre plataforma e o Objeto de Aprendizagem, com o intuito de colher mais dados mensuráveis, para gestores e empresa.

Basicamente, para escolher entre trabalhar com Objetos de Aprendizagem SCORM 1.2 OU 2004, você terá que ter em mente se o LMS da sua organização suportará estes Objetos de Aprendizagem, ou se você necessita de informações mais detalhadas a nível de mensuração, no momento de extrair um relatório do seu LMS, por exemplo.

Mas então, o que difere um do outro?

Em suma, há basicamente 3 significativas mudanças, que podemos classificar em: Separação de Status, Interações de Leitura e Gravação e Sequenciamento.

SEPARAÇÃO DE STATUS

Em linhas gerais, o padrão SCORM 1.2 possui um valor para cada status do Objeto de Aprendizagem (parâmetro lesson_status), que pode ser classificado como: passed, failed, completed, incomplete, browsed, ou not attempted, o que ocasionava falta de profundidade perante ao instrutor ou gestor que avalia o usuário, como por exemplo a informação se o aluno havia concluído (completed) o Objeto de Aprendizagem, mas não passado na Avaliação (failed). Pensando em casos como este, o SCORM 2004 abordou essas questões dividindo o lesson_status em ‘completion_status‘ (completed/incompleted) e ‘success_status‘ (passed/failed). Com status independentes, o instrutor/gestor pode avaliar itens, separadamente.

INTERAÇÕES DE LEITURA E ESCRITA

No SCORM 1.2, os “dados de interação” são somente para gravação, o que não faz muito sentido (por que “escrever” algo que você não pode “ler” mais tarde?). Portanto, o SCORM 2004 especifica as interações como leitura e gravação, sendo de fato, útil, não apenas para relatórios, mas para revisitar os Objetos de Aprendizagem anteriores. Por exemplo: imagine que um aluno está respondendo um exercício de fixação, onde ele assinalou a alternativa B na primeira interação, caso o aluno retorne para esta mesma tela, não será possível exibir a alteração selecionada anteriormente, já no SCORM 2004 é possível fazer esta leitura/gravação dos dados.

SEQUENCIAMENTO

O SCORM 2004 tentou melhorar o controle de autoria sobre o conteúdo através do “sequenciamento” da especificação, o que é, de fato, muito complexo.

Algumas plataformas LMS possuem controle de autoria, porém poucas empresas acham este recurso viável e utilizável.

No geral, a maioria dos fornecedores e plataformas LMS ainda utiliza o padrão SCORM 1.2, que satisfaz a maioria das necessidades de conteúdo e métricas para gestores, porém nada impede de sua organização reavaliar processos internos e escolher qual melhor padrão a ser escolhido.

E na sua empresa? Você qual padrão SCORM utiliza?

Baixe agora nosso e-Book e saiba passo a passo como extrair o melhor do seu LMS e ainda conhecer as melhores práticas para a gestão da sua Universidade Corporativa!

chamada ebook como extrair o melhor do seu LMS


Referências: http://scorm.com

www.sou.com.br

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *